top of page
  • Foto do escritorValdemir Pires

Nem Ustra nem Delfim: aquele Brasil, nunca mais!

(Para Lineu Mafezzolli)



Imagem: Arquivo Nacional. Domínio público. https://commons.wikimedia.org/w/index.php?curid=72670982o:)


Como economista, lembro, de início, uma afirmativa que um professor repetia com cansativa, mas pedagógica insistência nas aulas da minha graduação na PUC de Campinas, nos anos 1980: “O médico mata no varejo; o economista, no atacado.” Daí passo ao ponto que interessa no que se seguirá, reescrevendo a frase do amado mestre (talvez citação de terceiro, de que não me lembro) assim: “O carrasco tortura no varejo; o ditador (com a ajuda de seus economistas), no atacado”.

            O regime militar de que o Brasil foi vítima por vinte e um anos, derrotado pelo povo nas ruas (mas não morto, como comprova o fenômeno Bolsonaro), em meados dos anos 1980, lançou mão abundantemente tanto da tortura individual dos opositores ou supostos opositores, como da tortura coletiva da imensa maioria da população pobre (urbana e rural) de então. Um homem da caserna e outro da academia são pessoas – e nomes – que se prestam a dar cara ao regime militar de 1964-1984 mais do que os presidentes que quiseram ou aceitaram o papel de ditadores-mor naquele triste período, de Humberto Castelo Branco (1964-1967) a João Batista Figueiredo (1979-1985). São eles Carlos Brilhante Ustra (morto e enterrado, a extrema-direita atualmente desejando ressuscitá-lo) e Antônio Delfim Neto (ainda vivo e aparentemente regenerado, apesar de nunca ter manifestado arrependimento).

            A Ustra e seus auxiliares e sucessores coube manejar o pau-de-arara, o dispositivo disparador de choques elétricos, o “telefone”, os cigarros levados à boca (acesos) na posição invertida, os instrumentos de extração a seco de unhas e dentes etc. Monstruosidades utilizadas em sessões de tortura cuja natureza José Saramago, numa cena do Ensaio sobre a lucidez, tão bem faz ver, assim:

 

Posso ir-me embora, Que ideia a sua, homem, não se precipite, primeiro ainda terá que responder à pergunta que lhe tínhamos feito, Qual pergunta, Em que estava realmente a pensar quando disse ao seu amigo aquelas palavras, Já respondi, Dê-nos outra resposta, essa não serviu, Era a única que lhes podia dar porque é verdadeira, Isso é o que julga, Só se me puser a inventar, Faça-o, a nós não nos incomoda nada que invente as respostas que entender, com tempo e paciência, mais a aplicação adequada de certas técnicas, acabará por chegar à que pretendemos ouvir, Digam-me então qual é e acabemos com isso, Ah, não, assim não teria graça nenhuma, que ideia faz de nós, meu caro senhor, nós temos uma dignidade científica a respeitar, uma consciência profissional a defender, para nós é muito importante que sejamos capazes de demonstrar aos nossos superiores que merecemos o dinheiro que nos pagam e o pão que comemos, Estou perdido, Não tenha pressa.

 

            Afinal, era preciso quebrar sem só nem piedade qualquer resistência individual ou coletiva à receita (massacrante) de desenvolvimento econômico adotada pela ditadura militar, sintetizada na famosa frase do poderoso Ministro da Fazenda, Delfim Netto: “fazer o bolo crescer, para depois dividi-lo”. Dividi-lo, é certo, entre os que sobrevivessem às dores econômicas (inflação e carestia, fome) e políticas (ditadura e repressão)... E ainda assim, deixando em paz o índice de Gini, ou seja, nada de pensar em políticas redistributivas (às favas com Celso Furtado e escrúpulos sociais!).

            Não se negue aos golpistas e ditadores  e a seus agentes civis e militares admiração (não digo aplausos) pela concepção e implementação de um projeto (eles o tinham, ao contrário dos disfarçados golpistas mais recentes), sem desviar dos fins (não digo dos tantos interesses inconfessáveis que eles escondiam), combinando meios da teoria econômica liberal e da governabilidade sob suspensão da democracia, muito embora a prática, naquele tempo, andasse em voga, incentivada pelo gigante vizinho que tinha muito a perder caso a União Soviética levasse a melhor na Guerra Fria em curso.

Triste é perceber, porém, que muitos de nós ainda são os mesmos e vivem como nossos avós e bisavós, e não se deram conta de que aquela roupa não nos serve mais, pois já então era apertada e de mal gosto, além de sempre manchada de sangue. Mais triste ainda é perceber que alguns de nós e seus filhos e netos têm saudades de uma tragédia que não viveram.

Mas, se tristeza não tem fim e felicidade sim, que aos cabelos desta nos agarremos, quando ameaça partir: muitos de nós decidiram a favor da democracia, nos recentes momentos em que ela esteve ameaçada, um bom número com inteligência para saber que o bolo cresce quando é bem dividido (aparente paradoxo da macroeconomia keynesiana), assim como cresce a alma (ou pelo menos não se apequena ainda mais), quando a democracia é, senão amada, minimamente desejada e defendida. Aquele Brasil, para nós, se possível, nunca mais! Que 31 de Março permaneça sendo uma avenida que de vez em quando o riacho soterrado, revoltoso, alaga; que não volte a ser túnel ou ponte para escuros dias e para noites sem estrelas.


(Publicado também pelo Diário do Engenho - Série Especial sobre 60 anos do Golpe, em 29/03/2024)

90 visualizações2 comentários

Posts recentes

Ver tudo

2 Comments


Lineu Maffezoli
Lineu Maffezoli
Mar 29

Parabéns Pires, um belo e inteligente texto, como costuma ser suas contribuições...Grande abraço com saudades dos bons tempos. Lineu Maffezoli.

Like
Valdemir Pires
Valdemir Pires
Mar 29
Replying to

Agradecido por tudo.

Like
bottom of page