top of page
  • Foto do escritorValdemir Pires

Tudo o que sabemos



Nascemos, vivemos e morremos.

Enquanto vivemos, inventamos, criamos e destruímos, transformando o mundo e a nós mesmos.

Sempre amando e odiando, perdendo e ganhando, trocando e negociando.

E contamos o que temos feito e com que sonhamos, por meio de escritos e guardados.

E cantamos, dançamos, recitamos, encenamos, pintamos, esculpimos, adornamos, enfeitamos; oramos.

E refletimos sobre isso e sobre o sentido disso tudo, que jamais encontramos, enquanto descobrimos que nascemos, vivemos (comendo, bebendo, dormindo e procriando) e, finalmente, morremos, todos, sobre um efêmero grão de areia que gira no vazio incomensurável e inexplicável.

De tudo e do pouco que somos, o que mais nos define é o mistério, este escuro manto que nos impede de ver o depois da nossa vida e o antes de ela se tornar uma possibilidade.

O enigma é o nosso emblema, manejado com palavras tateantes, como estas, aqui rabiscadas, em balbucio.


Ouça:





26 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comments


bottom of page